Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Normalpatia’

Este post é sequência da discussão sobre o “Fuja dos “normalpatas””.

Quando discutimos o problema de pessoas que não têm problemas, nos comentários entramos na discussão, ora afinal o que são problemas?

E vimos que temos os fatos da vida, ou os fardos da vida, que nos vêm a cada dia. E como lidamos com eles. Como disse no post O poder do agora estou lendo este livro, que é uma reunião de vários pensamentos orientais empacotados em uma forma bem palatável.

Ali, lendo e pensando na discussão que rolou no blog, veio uma discussão nova e interessante sobre problemas: todos os problemas são ilusões.

O autor defende que existem duas formas de definir como estamos no mundo: a vida como ela é e a situação de vida. A primeira você está em contato com o momento presente. Agindo de forma intuitiva, interagindo com o meio e reduzindo, assim, as cargas passadas e perspectivas futuras.

E a outra é a “situação de vida”, na qual deixamos a mente com seus problemas passados e futuros interferirem no agora.

Quando eu me referi aos normalpatas, aqueles que acham que não têm problema, seria na seguinte direção:

1) trazemos problemas emocionais da nossa vida que nos impedem de vivermos de forma plena o presente. Estes problemas são diagnosticados pela medicina, psiquiatria, psicologia, etc. São eles: compulsões, obsessões, bi-polaridade;

2) são traumas emocionais do passado que nos impedem de ver o presente como ele é, sem criar fantasmas, sem achar que estão nos perseguindo, sem achar que o outro é alguém, como o nosso pai ou nossa mãe, um irmão, quando, na verdade, é outra pessoa;

Assim, o que nos impede de viver o presente é saber administrar esses “problemas emocionais” que se repetem, as neuroses, segundo Freud, que nos turvam a relação com o mundo.

A “normalpatia” assim, pode-se dizer, que é a doença primária de não reconhecer estes “problemas emocionais” e viver o presente, com todos os seus fantasmas do passado e do futuro, sem perceber que o mundo é todo criado e não como ele realmente é, fazendo mal a ele e aos outros.

Vou citar o Eckart Tolle, pg 67:

“Quando criamos um problema, criamos sofrimento. Por isso, é preciso tomar uma decisão simples: não importa o que aconteça, não vou criar mais sofrimento, nem problemas para mim. É uma escolha simples, mais radical. Ninguém faz uma escolha dessas a menos que esteja verdadeiramente sufocado pelo sofrimento. E não se consegue levar esse tipo de decisão adiante a não ser acessando o poder do Agora”.

E complementa:

“Deixará, assim, de contaminar nosso lindo planeta, seu próprio espaço interior e a psique humana coletiva com a negatividade da criação de problemas”.

Que acham?

Read Full Post »